Neto de Che Guevara narra angústia e tédio da vida de servidor em Cuba - FOLHA SP

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Neto de Che Guevara narra angústia e tédio da vida de servidor em Cuba - FOLHA SP

Mensagem  forum vitimas Bancoop em Dom Out 23 2016, 01:02

[size=40]Neto de Che Guevara narra angústia e tédio [/size]
[size=40]da vida de servidor em Cuba[/size]


SYLVIA COLOMBO
DE SÃO PAULO

22/10/2016  02h26



Quando o filme "Che", de Steven Soderbergh, estreou no México, em 2008, Canek Guevara,

 neto do líder revolucionário, foi assisti-lo com um amigo. Na fila, uma menina se aproximou 
e disse: "Você é bem parecido com o Benicio del Toro [ator que interpreta Che no filme]". 


Canek permaneceu mudo e sério.

Ser neto do ícone político mais amado e mais odiado do continente não foi algo fácil para 

o músico, escritor e designer. As dificuldades dele em vida começam a ser mais conhecidas 
só agora, após sua morte prematura no ano passado, aos 40, devido a complicações 
de uma cirurgia cardíaca.

Seus escritos são marcados pela dificuldade de conviver com essa herança e por uma

 visão crítica da Cuba onde nasceu e passou parte da adolescência, já no período 
pós-Revolução Socialista (1959).



Divulgação
Canek Sanchez Guevara no festival da 'Internazionale', na Itália



No Brasil, chega às livrarias a obra póstuma "33 Revoluções e Cinco Contos". No livro, de forte
 tom autobiográfico, um cubano comum que trabalha numa repartição burocrática vê seus dias 
repetirem-se tal qual um disco riscado –o título faz referência ao número de rotações de um LP.


O calor abafado, a sensação de vigilância constante, as dificuldades para fazer compras, as tentativas
 desesperadas de fuga de alguns compatriotas pelo mar –cenas que ele registra com sua máquina
 fotográfica– compõem o quadro que pinta de Havana.


"Seu livro retrata a angústia dos homens que buscam a liberdade e, no caminho, acabam numa rua
 sem saída. 


É um romance que reflete a frustração e a hipocrisia em que se transformou a Revolução. 


É a denúncia do discurso dessa revolução, repetido à exaustão e que se choca com o real cotidiano
 dos cubanos", afirma à Folha o mexicano Alberto Sánchez, pai do autor.


Canek, cujo nome de inspiração maia significa "serpente negra", era o filho mais velho de Hildita, fruto 
do primeiro casamento de Che, com a peruana Hilda Gadea.


Em Cuba, Hildita conheceu Alberto, então um militante comunista que havia se refugiado na ilha após 
sequestrar um avião em Monterrey como parte de uma operação para forçar a soltura de presos
 políticos pelo governo do México.


"Eu admirava o Che, mas em nossa casa não reverenciávamos sua imagem. 


Tínhamos medo de que isso virasse um fardo para nossos filhos. Por isso, eles foram educados apenas 
com os nossos valores, os da liberdade e da verdade", conta Sánchez.


Hildita também não gostava de se sentir o "apêndice de um mito", nas palavras do marido. 
Então, a família partiu para viver na Espanha e no México. Em 1986, Canek voltou a Cuba,
 e passou a não gostar do que via.


A perseguição a artistas e opositores e a falta de liberdade foram provocando no adolescente uma 
claustrofobia. Passou a usar preto, deixou o cabelo crescer e criou a banda Metalizer.


Não demorou para que o metaleiro caísse no radar do ditador Fidel Castro, e os shows da banda 
passaram a ser interrompidos pela polícia, que dispersava o público com bombas de gás lacrimogêneo.


Canek ficou no país enquanto a mãe estava viva. Mas, em 1995, quando Hildita morreu de câncer, decidiu
 ir para a Cidade do México, onde descobriu-se artista e ensaísta.


Além de música, fazia resenhas literárias e virou colunista do semanário "Proceso". Uma coletânea de
 seus escritos daquela época saiu recentemente na Espanha, com o nome "Diários sem Motocicleta", 
uma brincadeira com o título do filme do brasileiro Walter Salles baseado nos diários do avô.


Essa fase do Che viajante, curioso e criativo era a que Canek mais admirava. Já a fase revolucionária 
e a transformação dele em mito o incomodavam. "A esquerda o reduziu a um guerrilheiro heroico, 
e a direita a um carniceiro da Revolução. Ambos os retratos são reducionistas",
disse em uma entrevista, já no final da vida.

33 REVOLUÇÕES E CINCO CONTOS




AUTOR Canek Sánchez Guevara
TRADUÇÃO Julián Fuks
EDITORA Tusquets-Planeta
QUANTO R$ 31,90 (128 págs.)

forum vitimas Bancoop
Admin

Mensagens : 6836
Data de inscrição : 25/08/2008

http://bancoop.forumotion.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum