bancoop nao devolve no butanta - bancoop devendo no butanta/OAS - JOSE PEREIRA - devo, não nego, pago quando puder

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

bancoop nao devolve no butanta - bancoop devendo no butanta/OAS - JOSE PEREIRA - devo, não nego, pago quando puder

Mensagem  forum vitimas Bancoop em Dom Abr 01 2012, 00:09

01/04/2012 00:07:46
Fórum Central Civel João Mendes Júnior - Processo nº: 583.00.2010.118859-4

parte(s) do processo incidentes andamentos súmulas e sentenças
Processo CÍVEL
Comarca/Fórum Fórum Central Civel João Mendes Júnior
Processo Nº 583.00.2010.118859-4
Cartório/Vara 19ª. Vara Cível
Competência Cível
Nº de Ordem/Controle 479/2010
Grupo Cível
Ação Procedimento Sumário (em geral)
Tipo de Distribuição Livre
Distribuído em 09/03/2010 às 14h 34m 01s
Moeda Real
Valor da Causa 12.625,08
Qtde. Autor(s) 1
Qtde. Réu(s) 2

Requerido COOPERATIVA HABITACIONAL DOS BANCARIOS
Requerente JOSE PEREIRA FILHO
Requerido OAS EMPREENDIMENTOS S.A


Incidente Nº 1 Entrada e Distribuição em 04/05/2010
Impugnação ao Valor da Causa


23/11/2010 Despacho Proferido
Recebo a apelação de fls.447/459 em seus efeitos devolutivo e suspensivo.
Após, subam os autos ao E. Tribunal de Justiça
– Seção de Direito Privado,
com as nossas homenagens. Int.



SC002299 Vistos. JOSÉ P F ajuizou a presente de cobrança contra COOPERATIVA HABITACIONAL
DOS BANCÁRIOS e OAS EMPREENDIMENTOS S/A, alegando, em síntese, que
celebrou contrato e respectiva rescisão com a primeira requerida, cedido à segunda
.


Aderiu a contrato padrão para a aquisição de apartamento no Condomínio Altos do Butantã,
mas em função de atraso nos prazos de entrega tornou-se inadimplente, sendo excluído em
fevereiro de 2005, tendo as partes firmado “Termo de Restituição de Créditos”, pelo qual
deveria a primeira requerida restituir ao autor o valor de R$ 37.875,16, em 36 parcelas
de R$ 1.052,09, vencendo-se a primeira em 25.02.2006.

Não obstante, não foram pagas as prestações discriminadas às fls. 04, perfazendo um total
de R$ 12.625,08, devendo a ação ser julgada precedente para que as rés sejam condenadas
a pagar tal valor. Juntou documentos.

Citadas, as rés apresentaram contestação, tecendo longo discurso sobre sua condição de cooperativa, a relação que mantém com a corré OAS, passa a efetivamente dizer que foram pagas 29 prestações do acordo feito com o autor, não 24 como alega, nos termos do quadro de fls. 140, restando inadimplidas exclusivamente as prestações nºs 30, 31, 32, 34 e 35, que serão devolvidas na medida das condições financeiras da seccional Altos do Butantã.

Juntou documentos. Houve réplica. É o relatório. Fundamento e Decido:

O feito comporta pronto julgamento, nos termos do art. 330, I, do Código de Processo Civil, pois não há necessidade de dilação probatória para dirimir a questão posta em julgamento que, na verdade, é de simplicidade manifesta.

Além de documentado nos autos, é incontroversa a celebração do “Termo de Restituição de Créditos” firmado pela “Cooperativa” com o autor, bem como é incontroverso o inadimplemento.

A única controvérsia que há nos autos diz com a quantidade de parcelas inadimplidas e, portanto, a quanto serão condenadas as rés.

O mais é papel inútil, discurso vago repetido aos borbotões em todos os processos em que é parte a Bancoop.

Destaco que o termo de restituição aceito pelo autor já fora firmado nos termos dos estatutos da “Cooperativa”, ou seja, restituição do valor confessadamente devido ao “cooperado” em 36 prestações, vencendo-se a primeira em 25/02/2006 e a última em 25/01/2009.

Todas, portanto, quando do ajuizamento da ação já estavam vencidas, embora nem todas tenham sido pagas, nem tenha propósito a alusão constante da contestação no sentido de que serão devolvidas na medida das condições financeiras da seccional Altos do Butantã.

A prática do “devo, não nego, pago quando puder” não pode, por óbvio, ser chancelada pelo Poder Judiciário.

Têm razão as rés, porém, quando dizem que nem todas as prestações que o autor afirma inadimplidas efetivamente não foram pagas.

Comprovam as rés que pagaram 29 prestações, conforme documentos de fls. 202/229, ignorados pelo autor em sua réplica, como se inexistissem.

De se acolher, pois, a comprovada alegação, que não leva, como pretendem as rés, à condenação do autor por litigância de má-fé, pois o equívoco não acarretou qualquer consequência, a não ser o não acolhimento integral do pedido.

É que também a ré faz confusão, pois se pagou, como afirma, somente 29 prestações de 36, como poderia dever exclusivamente as prestações nºs 30, 31, 32, 34 e 35?

A diferença entre 36 e 29 são sete prestações, não cinco.

Assim, os equívocos são possíveis, e, por ora, considero que nem o autor nem as rés litigam de má-fé.

Ante o exposto, JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido para, nos termos da fundamentação supra, condenar as rés ao pagamento das prestações inadimplidas (cujo pagamento não foi comprovado pelos documentos de fls. 202/229, corrigidas pela Tabela Prática do Tribunal de Justiça desde os respectivos vencimentos e acrescidas de juros de mora a partir da mesma data.

Sucumbência recíproca, nos termos do art. 21 do Código de Processo Civil. P.R.I.C. São Paulo, 02 de setembro de 2010. DANILO MANSANO BARIONI Juiz de Direito



forum vitimas Bancoop
Admin

Mensagens : 6844
Data de inscrição : 25/08/2008

http://bancoop.forumotion.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum